expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Vem vindo aí... Vanishing Point (aka Ponto de Fuga)!

Uau, esse post está bem Tarantinesco!
Boa tarde, tripulantes. A postagem de hoje pode ser considerada especial (em todos os sentidos), pois estou trazendo de primeira mão algumas informações sobre o meu próximo livro (que não faz parte do mundo de Entre o Céu e o Mar, pelo menos não diretamente).
A ideia para esse novo livro, batizado como “Vanishing Point”, surgiu há algum tempo, e nessa época eu ainda não havia finalizado a saga dos piratas. A minha intenção, na realidade, era de fazer um conto e compartilhar com alguns amigos que eu fiz no velho Orkut em 2008. Eu ainda não era publicado, não fazia ideia de como funcionava o mercado editorial e, por essa razão, eu me sentia satisfeito em tão simplesmente compartilhar meus textos nas comunidades literárias. 

Devo dizer que essas comunidades agiram de uma maneira positiva na minha vida literária, era muito divertido repartir textos, receber feedbacks e conhecer outros talentos também. Conheci pessoas talentosas e sonhadoras, que inclusive até hoje mantenho contato diário. A maioria delas fizeram parte desse projeto que denominei “Vanishing Point” (seria uma tradução simples de Ponto de Fuga, e eu dava preferência ao nome inglês para homenagear uma obra cinematográfica dos anos 60, de mesmo nome). O conto – na época se tratava de um texto de no máximo cinquenta páginas – reunia tudo aquilo que tinha me influenciado, a começar pelo estilo de Quentin Tarantino (já ressaltei anteriormente o quanto admiro o trabalho desse diretor genial). Para relembrar um pouco, resolvi reunir alguns recortes da comunidade que eu ministrava (contos grindhouse), onde eu apresentei Vanishing Point.





O pessoal ficou todo empolgado, e da mesma forma eu fiquei ansioso para compartilhar aquele material de cunho artístico (sim, porque eu também comecei a ilustrar tudo). No entanto, foi-se passando o tempo e eu acabei não publicando esse conto na comunidade. O texto foi evoluindo, os personagens estavam cada vez mais interessantes, e eu decidi engavetar o projeto para me dedicar ao desfecho da saga Entre o Céu e o Mar. Pensava quase sempre em Vanishing Point, mas engavetá-lo e dar um tempo me faria ler o texto com outros olhos posteriormente. E foi o que aconteceu. Em 2011 eu resolvi dar uma repaginada no material (detalhe, o mesmo ainda não se encontrava finalizado!). Decidi voltar a trabalhá-lo, a lapidá-lo e a acrescentar inúmeras coisas, que o tornaram ainda mais original e interessante. A trama, logo de princípio, é bem semelhante ao cinema de Tarantino, envolvendo gângsteres, personagens caricatos em busca de vingança, tiro pela culatra, assassinos de aluguel, artes marciais, referência ao pulp, ao grindhouse, ao anime etc... Foi muito difícil, MESMO. O conto, daí então, converteu-se num livro cujo conteúdo presta tributo a diversas obras e nomes honrosos, mas sem perder a sua própria identidade.
Finalmente, após avançar anos em meio a pausas e dificuldades, o livro foi concluído em dezembro de 2013, recebendo o título de Ponto de Fuga (devido a N fatores, mas deixarei a interpretação do título para algum post futuro). O caráter desse livro está pautado nas minhas influências. No decorrer do tempo, trarei numerosas informações acerca de suas raízes, da mesma maneira a qual eu tenho feito com Entre o Céu e o Mar. O que mais me levou a admirar em Tarantino (além de sua engenhosidade), foi o empenho de revelar tudo aquilo que o impulsionara; acredito que todo artista se influencie em algo (seja um traje, uma imagem, uma canção ou mesmo um alguém) desde que a originalidade esteja sempre presente. E o livro também conta com ilustrações; nesse processo eu pude aproveitar bem o visual e inserir pequenos detalhes que fazem jus à obra e que nos remete ao gênero proposto. Há momentos e momentos... Aqueles em que somos embargados pela sensação de estar lendo um HQ; aqueles que sentimos um leve toque cinematográfico das décadas passadas, ou mesmo aqueles em que meras menções nos permitem relembrar nomes dignos de nota.




A trama

Iremos conhecer a história de dois adolescentes órfãos que tiveram uma infância perturbada nos guetos americanos. “Stuart”, o mais novo, é um ladrão habilidoso e viciado em drogas, que é resgatado por um estranho homem chamado “Steve”. Esse homem se mostra bastante interessado na vida de Stuart, e lhe promete um futuro prodigioso se o jovem aceitar sua oferta: se tornar um assassino profissional.
Não somente Stuart como também Terry são recrutados para o extenuante treinamento, promovendo ao longo dos anos diversos trabalhos sujos em nome de seu mentor e honrando o código de sua irmandade. Um certo dia, durante uma arriscada missão, Stuart conhece Shelly, uma mulher que jamais deveria interferir nos planos. Ele se apaixona e começa a manter um relacionamento secreto com ela, quebrando a primeira regra imposta por Steve. Aos poucos, enquanto suja as mãos de sangue e deleita a companhia de seu verdadeiro amor, o jovem acaba percebendo que tal segredo não pode ser alimentado para sempre, e que a qualquer momento Steve pode descobrir. É nessa fase dificulta de sua vida que ele decide abandonar o mundo do crime e fugir ao lado de Shelly para o Sul, sem saber, é claro, que tal escape lhe trará severas consequências.



Como recomeçar uma vida, quando um passado grotesco lhe sonda o caminho? Tudo o que Stuart queria era fugir com Shelly de uma gangue criminosa que ele deixou para trás. Cansado de viver ao lado da morte, decidiu mudar de rumo, ante a personificação de Afrodite nos olhos castanhos daquela jovem mulher. A situação complica quando ele é surpreendido pelos velhos comparsas, tendo de pagar um preço alto demais...
Dado como morto, transformou-se em um fantasma para a humanidade, capaz de qualquer coisa em nome da vingança.
Stuart fugiu do inferno, e enquanto não volta para lá, está em busca daqueles que pensaram ter acabado com a sua vida para sempre.

Gostaram da postagem?

Novidades sobre Vanishing Point ainda pintarão por aqui... Aguardem! =D

Robson Gundim



Nenhum comentário:

Postar um comentário